quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Dicas e benefícios para sua saúde sobre as frutas oleoginosas. Aproveite as dicas para as festas de fim de ano!


Frutas Oleoginosas e seus benefícios para saúde!

As frutas oleaginosas, comumente apreciadas nas festas de final de ano, são bastante conhecidas pelo seu alto teor calórico, porém podem trazer também grandes benefícios para a saúde.
Amendoim, castanha-do-Brasil ou castanha-do-Pará, castanha de caju, avelã, amêndoas, nozes, pistache, macadâmia, entre outras, podem exercer diversos benefícios a nossa saúde, quando ingeridas em associação a uma alimentação saudável. Isso se deve à sua composição, pois são ricas em ácidos graxos mono e poliinsaturados que auxiliam o controle dos triglicerídeos, colesterol total e LDL-colesterol, diminuindo o risco de desenvolvimento de doenças cardíacas. 

Além disso, são ricas em outros nutrientes essenciais para o equilibrio do nosso organismo, como a vitamina E, selênio e manganês que exercem diversas funções em nosso organismo, além de atuarem como potentes antioxidantes, removendo os radicais livres produzidos em excesso pelo nosso organismo. Também são ricas em magnésio, que participa de inúmeros processos, como a adequada entrada de cálcio nos ossos, contração muscular, ação antiinflamatória e regulação da pressão arterial. A arginina, também presente, atua como importante vasodilatador, contribuindo para a redução do risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares.

Nozes: são as fontes mais ricas de vitamina E. A maioria das nozes são ótimas fontes de potássio, sendo ricas também em vitaminas do complexo B. O valor calórico das nozes em média é de 651kcal/100g.

Macadâmia: é a oleaginosa mais calórica (cerca de 1000 kcal por xícara), porém possui quantidades significativas de fibras e vitamina B1.

Castanha-do-Pará ou Castanha-do-Brasil: destaca-se por ser bastante calórica (656kcal/100g), no entanto, seu diferencial é possuir ácidos graxos ômega-3 e grande quantidade de selênio.

Avelãs e Amêndoas: ambas contém cerca do mesmo valor calórico (589kcal/100g), sendo que ambas possuem uma quantidade significativa de nutrientes diferentes. As amêndoas são riquíssimas em vitamina E e potássio. As avelãs por sua vez, são ricas em cálcio e vitamina E.

O ideal é consumir estes alimentos em quantidades que atinjam as recomedações diárias das substâncias presentes em sua composição. Pode-se consumir, por exemplo, uma porção moderada de frutas oleaginosas por dia: uma castanha-do-Pará, duas castanhas de caju ou duas nozes. Deve-se lembrar que a quantidade varia de indíviduo pra indivíduo e depende de fatores como: obejtivo a ser alcançado, patologias, composição corporal, etc. Lembrando que para atletas e praticantes de atividade físicas, as oleaginosas são potentes aliados.

As oleaginosas são muito versáteis e combinam com qualquer sabor. Por exemplo, podemos fazer um bolo integral com nozes; picar e adicionar ao arroz com uvas passas; consumir em conjunto com frutas; como parte de um prato principal (aves, peixes); uma porção de oleaginosas sortidas que pode ser um dos lanches intermediários do dia-a-dia. Ou seja, o que vale é a criatividade para colocar as oleaginosas na nossa alimentação!

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Azeite de oliva atua na prevenção de doenças cardiovasculares.

O azeite de oliva é composto em sua maior parte por um tipo benéfico de gordura, a monoinsaturada, que não eleva o nível de colesterol no sangue. No caso do azeite extra virgem, há ainda a presença de compostos antioxidantes e com efeito anti-inflamatório que lhe conferem ação antiaterogênica, ou seja, evitam o acúmulo de gordura nas paredes das artérias, atuando assim na prevenção de doenças cardiovasculares.
O azeite pode ser usado em diversas preparações, seja para cozinhar ou para temperar uma salada; só não pode ser submetido a temperaturas muito altas (como em preparações muito demoradas ou frituras), pois assim seus compostos benéficos são perdidos.
Para redução do risco de doenças cardiovasculares, recomenda-se o consumo de pelo menos 2 colheres de sopa de azeite extra virgem por dia. Por ser uma gordura, ainda que saudável, possui um alto teor energético (cerca de 72kcal por colher de sopa), e por isso deve ser consumido com moderação por pessoas que desejam alcançar ou manter um peso adequado.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Pesquisas apontam que ingrediente do vinho bloqueia o crescimento de células do câncer de mama.


                                                                                    Amigo do peito


Uma nova pesquisa revelou que o resveratrol, considerado o ingrediente saudável do vinho tinto, bloqueia o crescimento de células do câncer de mama.
Segundo cientistas da Universidade da Calábria (Itália), o resveratrol bloqueia os efeitos do hormônio estrogênio, reduzindo os receptores específicos das células do câncer de mama.
Apesar dos seguidos estudos que concluem pelos benefícios do composto presente no vinho tinto e nos sucos de uvas escuras, esta é a primeira vez que se demonstra sua ação especificamente contra o câncer de mama.

Resveratrol
"O resveratrol é uma ferramenta farmacológica que pode ser usada quando o câncer de mama se torna resistente à terapia hormonal," afirma o Dr. Sebastiano Andò, membro da equipe.
Ele e seus colegas usaram linhagens de células do câncer de mama, que expressavam o receptor do estrogênio, para testar os efeitos do resveratrol.
Os pesquisadores trataram um grupo de células com o composto e compararam seu crescimento com as células não-tratadas.
O estudo mostrou uma redução no crescimento das células tratadas com resveratrol, e nenhuma modificação, isto é, crescimento normal, nas células não-tratadas.

Produtos naturais
Experimentos adicionais revelaram que o efeito deu-se devido a uma drástica redução nos níveis dos receptores de estrogênio das células, o que foi causado pelo resveratrol.
"Estas descobertas são entusiasmantes, mas de jeito nenhum significam que as pessoas devem sair e começar a beber vinho tinto ou suplementos como tratamento para o câncer de mama," alerta o pesquisador.
"O que estas descobertas significam é que os cientistas ainda não terminaram o trabalho de destilar os segredos da boa saúde que estão escondidos em produtos naturais, como o vinho tinto," concluiu Andò.

Conheça uma nova linha de produtos nutricionais á base de Açaí!

MONAVIE produtos nutricionais



Hoje iremos falar de uma empresa em expansão no mercado que é a MONA.VIE, já ouviram falar?
A MONAVIE é uma empresa de produtos nutricionais que são desenvolvidos com base na filosofia de equilíbrio-variedade-moderação, ou seja, ingredientes escolhidos na medida certa unidos em um produto com o objetivo de trazer benefícios a saúde aliados a uma alimentação balanceada e atividade física.

Os produtos estam sendo provados, e pode se perceber bem estar na utilização, além de proporcionarem um ótimo sabor, cheiro e o cuidado das embalagens faz com que o produto já faça bem visivelmente. Vamos a descrição dos produtos:
MONAVIE NUIT – Um produto formulado pensando na noite, afinal após um dia de estresse, muito trabalho nada melhor do que uma boa noite, até por que uma noite de qualidade faz com que o dia futuro seja proveitoso. Bebida deliciosa, à base de inositol, com sabor limão, erva doce, erva cidreira, camomila e frutas.
MONAVIE EMV Um energético que nos chamou a atenção pela baixa concentração de cafeína do que os que conhecemos no mercado, são usadas as forças das frutas vermelhas e base de açaí, guaraná e 14 frutas.

MONAVIE ACTIVE – 19 frutas, com adição de colágeno hidrolisado e naturalmente rico em vitamina C que sabemos que potencializa a absorção.
Para maiores informações sobre os produtos e até mesmo adquiri-los entre em contato:






Estamos provando o produto e indicando pois isso é viver uma vida com mais sentido.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Açaí, além de delicioso é uma excelente opção para esportistas!

O conteúdo de ontem falava sobre a importância dos antioxidantes no nosso organismo e na prática de atividade. Hoje vamos conhecer um pouquinho sobre o açaí e seus benefícios para nossa saúde e para aqueles que praticam atividades físicas.
acai071111

Além de repor as suas energias, rico em vitaminas é um poderoso antioxidante.
O açaí é muito nutritivo, rico em ácidos graxos que diminuem o depósito de gordura nas artérias, prevenindo doenças cardiovasculares, além de potássio, magnésio, vitamina E, vitaminas do complexo B, poderosos compostos antioxidantes.

Durante o exercício (principalmente de longa duração), o consumo de oxigênio cresce e gera um aumento de radicais livres no organismo (substâncias que causam uma ação negativa às células). O açaí é uma alternativa, pois é uma excelente fonte de antioxidantes que combate esses radicais livres.
Pelo seu elevado teor energético, pode ser consumido antes ou depois da atividade física. O suco de açaí tem menor valor calórico (em relação à polpa) e é uma ótima opção antes da atividade física. Já a polpa com granola é indicada para o pós-exercício, pois é ideal para a reposição de vitaminas, minerais e glicogênio muscular.

O açaí ajuda também no bom funcionamento intestinal, já que possui boa quantidade de fibras.
Por conta do alto teor energético, ao contrário do que se imagina, não há necessidade de adição de outros ingredientes como xarope de guaraná, mel, cacau e quantidades elevadas de granola.
A polpa de açaí tem propriedades nutritivas que garantem as reposições energéticas, fazendo com que seja um excelente alimento para quem deseja ganhar massa muscular, melhorar ainda mais sua saúde ou até mesmoperder peso.

Para aqueles que querem aumentar a massa muscular, a dica é ingerir 4 colheres de sopa da polpa de açaí com mel e granola logo após a atividade física. Já para os que almejam perder alguns quilinhos extras, um copo de suco de açaí logo após a atividade é uma opção para a reposição energética.

Referências:
SOUZA, A. das G. de; SOUSA, N. R. de; SILVA, S. E. L. da; NUNES C.D.M.; CANTO, A. do C.; CRUZ, L A. de A. Fruteiras da Amazônia. Brasília: Embrapa–SPI 1996. 204p.
Oscar Nogueira Lameira e outros. A cultura do açaí. Embrapa – SPI / CPAF Amazônia Oriental. Coleção Plantar: 26. 1995. 50 p.
FRANCO, G. Tabela de Composição Química dos Alimentos. Editora Atheneu. 9ª ed. São Paulo: Editora Atheneu, 1999. 307p.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Antioxidantes!

Bem, a dica e informações de hoje é sobre os antioxidantes, substâncias essenciais para o nosso organismo. Vale a pena você ler!


video


 
O que são os radicais livres?


Para compreender o que são os radicais livres, é necessário esclarecer que todas as células do corpo humano necessitam constantemente de oxigênio para converter os nutrientes absorvidos dos alimentos em energia. Entretanto, a queima do oxigênio pelas células (oxidação) tem seu preço: libera moléculas de radicais livres que são instáveis e apresentam um elétron com carga negativa que tende a se associar muito rapidamente a outras moléculas de carga positiva com as quais pode reagir ou oxidar. Dessa forma, esses radicais podem danificar as células sadias do nosso corpo, sendo que o bombardeamento excessivo por essas moléculas danifica o DNA das células, bem como outros materiais genéticos.


Os radicais livres reagem com outras moléculas, durante essa reação, eles acabam por desestruturar aquelas moléculas com as quais reagiram, danificando as mesmas. Vitaminas, carboidratos, proteínas e lipídeos são algumas das moléculas em nosso organismo que podem ser danificadas pelos radicais livres.

Tais danos cometidos pelos radicais livres são indicados também como potencializadores do surgimento de certas doenças. Além disso, os radicais livres também são associados ao câncer e envelhecimento.

Sendo assim, é importante que controlemos a quantidade de radicais livres em nosso organismo a fim de evitar os malefícios que podem ser causados pelo acúmulo indevido de radicais livres, mas… como?


O que pode aumentar a produção de radicais livres?


Conforme já fora mencionado, os radicais livres surgem naturalmente por meio da respiração celular. Sendo assim, um dos mecanismos que aumenta a produção dos mesmos é a prática de exercícios físicos, principalmente os prolongados e intensos pois, durante os exercícios físicos, sua respiração é aumentada e, por não suprir todas as necessidades, outras reações auxiliares são desencadeadas, levando a um aumento da produção de radicais livres.


O ambiente em que vivemos também é responsável pelo aumento da produção. Poluição ambiental e exposição excessiva ao sol também podem ser responsáveis.

Mas não podemos esquecer dos hábitos da pessoa: alcoolismo, tabagismo, stress e uma alimentação incorreta também possuem “culpa no cartório”.


E os antioxidantes? O que eles fazem?


O termo antioxidante é utilizado para denominar a função de proteção celular contra os efeitos danosos dos radicais livres. Alguns nutrientes, naturalmente presentes ou adicionados nos alimentos, possuem propriedade antioxidante.

Os antioxidantes são substâncias que, em contato com os radicais livres, reagem, neutralizando os mesmos. O nosso organismo produz antioxidantes, entretanto de acordo com a situação em que nosso organismo se encontra pode não ser suficiente.



E é aí onde a boa alimentação pode nos ajudar, ao oferecer nutrientes que são antioxidantes e que, portanto, participarão deste combate contra o excesso de radicais livres.

 

Quais nutrientes são antioxidantes? 


São vários os nutrientes que têm essa ação no organismo. Entre eles, estão as vitaminas C e E, carotenoides e isoflavona. A eficiência da função dos antioxidantes derivados da alimentação depende da sua biodisponibilidade e da ingestão de quantidades adequadas do nutriente. No entanto, o consumo excessivo de algumas vitaminas antioxidantes pode causar hipervitaminose, que nada mais é do que uma quantidade exagerada de vitamina no organismo.

Alguns estudos provaram que alimentação rica em hortaliças e frutas está associada com a baixa incidência de doenças crônico-degenerativas, como alguns tipos de câncer (pulmão, mama, próstata) e doenças cardiovasculares, efeitos fotoprotetores, como também efeitos de substituição hormonal. Um exemplo: o consumo de soja é eficaz na redução do risco de doença cardíaca coronariana e na redução dos níveis de LDL (mau colesterol) e aumento de HDL (o bom colesterol).

Embora ainda não se tenha certeza dos quais componentes bioativos presentes na soja sejam responsáveis por essa função antioxidante, acredita-se que a isoflavona, que também tem similaridade com o hormônio estrogênico, entre outros compostos presentes no alimento são responsáveis por esse efeito protetor.

Que alimentos são ricos em antioxidantes?

Um conselho que posso oferecer é que leia sobre cada um dos nutrientes que supra-citamos como sendo antioxidantes. Assim sendo, já conhecendo os nutrientes antioxidantes, aqui está uma lista dos alimentos mais indicados pela sua ação antioxidante:

  • Vários vegetais e frutas, como: açaí, repolho, morango, beterraba, ameixa, pimenta vermelha, laranja, brócolis, uva, espinafre, maçã, batata, tomate, milho, banana, pêra, melão, azeitonas, etc;
  • Produtos de origem vegetal, como o vinho tinto, azeite, chá verde e cacau;
  • Alimentos ricos em ômega 3, como peixes.

Informações sobre Suplementos vitamínicos em casos de tratamento de câncer

Os suplementos vitamínicos podem reduzir a eficácia dos tratamentos contra o câncer, segundo revisão de estudos publicada no periódico "Journal of the National Cancer Institute", em 2008. De acordo com os autores, esses suplementos com antioxidantes poderiam bloquear o processo pelo qual os agentes da radioterapia e da quimioterapia destroem os tumores.

As duas terapias funcionam induzindo a criação de radicais livres, moléculas que, em grandes quantidades, danificam o DNA e algumas proteínas. E os antioxidantes "varreriam" os radicais livres, que, em níveis normais, são benéficos para a saúde. Assim, suplementos como os de vitamina E e de beta-caroteno poderiam reduzir o poder dos tratamentos contra o câncer.


Algo mais a se falar?


Se você quer ter uma vida saudável, é bom tomar alguns cuidados para evitar a produção de muitos radicais livres em seu organismo. Somente consumir mais antioxidantes pode não ser suficiente!

Evite o consumo de álcool ou tabaco, bem como a exposição excessiva aos raios solares.

Procure viver em uma área longe de poluição e não deixe de praticar exercícios físicos – apesar de serem responsáveis pelo aumento de radicais livres, os exercícios físicos são responsáveis por inúmeros benefícios ao nosso organismo.


Além disso, pessoas que praticam exercícios físicos regularmente sofrem menos com a ação dos radicais livres, pois a atividade física regular aumenta a produção de enzimas que os destroem.

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Você sabe o que é Diabetes? Descubra tudo sobre essa doença que vem assolando a população.

O que é Diabetes? 

O Diabetes é uma sindrome metabólica de origem múltipla, decorrente da falta de insulina e/ou da incapacidade de a insulina exercer adequadamente seus efeitos. A insulina é produzida pelo pâncreas e é responsável pela manutenção do metabolismo da glicose. A falta desse hormônio provoca déficit na metabolização da glicose e, consequentemente, diabetes. Caracteriza-se por altas taxas de açúcar no sangue (hiperglicemia) de forma permanente.

Tipos 

Tipo 1: causado pela destruição das células produtoras de insulina, em decorrência de defeito do sistema imunológico em que os anticorpos atacam as células que produzem a esse hormônio. Ocorre em cerca de 5 a 10% dos pacientes com diabetes.
Saiba mais
Tipo 2: resulta da resistência à insulina e de deficiência na secreção de insulina. Ocorre em cerca de 90% dos pacientes com diabetes. 
Diabetes Gestacional: é a diminuição da tolerância à glicose, diagnosticada pela primeira vez na  gestação, podendo - ou não - persistir após o parto. Sua causa exata ainda não é conhecida.
Outros tipos: são decorrentes de defeitos genéticos associados a outras doenças ou ao uso de medicamentos. Podem ser: defeitos genéticos da função da célula beta; defeitos genéticos na ação da insulina; doenças do pâncreas exócrino (pancreatite, neoplasia, hemocromatose, fibrose cística etc.); defeitos induzidos por drogas ou produtos químicos (diuréticos, corticoides, betabloqueadores, contraceptivos etc.).

 Sintomas de Diabetes

Principais sintomas do diabetes tipo 1:

  • vontade de urinar diversas vezes
  • fome freqüente
  • sede constante
  • perda de peso
  • fraqueza
  • fadiga
  • nervosismo
  • mudanças de humor
  • náusea e vômito.

Principais sintomas do diabetes tipo 2:

  • infecções freqüentes
  • alteração visual (visão embaçada)
  • dificuldade na cicatrização de feridas
  • formigamento nos pés e furúnculos. 

Tratamento de Diabetes

O tratamento correto do diabetes significa manter uma vida saudável evitando diversas complicações que surgem em consequência do mau controle da glicemia. 

Complicações possíveis

O prolongamento da hiperglicemia (altas taxas de açúcar no sangue) pode causar sérios danos à saúde:
  • Retinopatia diabética: lesões que aparecem na retina do olho, podendo causar pequenos sangramentos e, como consequência, a perda da acuidade visual
  • Nefropatia diabética: alterações nos vasos sanguíneos dos rins que fazem com que ocorra uma perda de proteína pela urina. O órgão pode reduzir a sua função lentamente, mas de forma progressiva até a sua paralisação total
  • Neuropatia diabética: os nervos ficam incapazes de emitir e receber as mensagens do cérebro, provocando sintomas, como formigamento, dormência ou queimação das pernas, pés e mãos
  • dores locais e desequilíbrio
  • enfraquecimento muscular
  • traumatismo dos pêlos
  • pressão baixa
  • distúrbios digestivos
  • excesso de transpiração e impotência
  • Pé diabético: ocorre quando uma área machucada ou infeccionada nos pés desenvolve uma úlcera (ferida). Seu aparecimento pode ocorrer quando a circulação sanguínea é deficiente e os níveis de glicemia são mal controlados. Qualquer ferimento nos pés deve ser tratado rapidamente para evitar complicações que podem levar à amputação do membro afetado
  • Infarto do miocárdio e acidente vascular: ocorrem quando os grandes vasos sanguíneos são afetados, levando à obstrução (arteriosclerose) de órgãos vitais como o coração e o cérebro. O bom controle da glicose, a atividade física e os medicamentos que possam combater a pressão alta, o aumento do colesterol e a suspensão do tabagismo são medidas imprescindíveis de segurança. A incidência desse problema é de duas a quatro vezes maior em pessoas com diabetes
  • Infecções: o excesso de glicose pode causar danos ao sistema imunológico, aumentando o risco da pessoa com diabetes contrair algum tipo de infecção. Isso ocorre porque os glóbulos brancos (responsáveis pelo combate a vírus, bactérias etc.) ficam menos eficazes com a hiperglicemia. O alto índice de açúcar no sangue é propício para que fungos e bactérias se proliferem em áreas como boca e gengiva, pulmões, pele, pés, genitais e local de incisão cirúrgica.Arteriosclerose: endurecimento e espessamento da parede das artérias Arteriosclerose: endurecimento e espessamento da parede das artérias

    Convivendo/ Prognóstico 

    Pacientes com diabetes devem ser orientados a:
  • Realizar exame diário dos pés para evitar o aparecimento de lesões
  • Manter uma Alimentação adequada
  • Utilizar os medicamentos prescritos
  • Praticar atividades físicas
  • Manter um bom controle da glicemia, seguindo corretamente as orientações médicas.

Prevenção 

Pacientes com história familiar de diabetes devem ser orientados a:
  • Manter o peso normal
  • Realizar acompanhamento com nutricionistas ou médicos
  • Não fumar
  • Controlar a pressão arterial
  • Evitar medicamentos que potencialmente possam agredir o pâncreas
  • Praticar atividade física regular.

Referência: 
SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. Consenso Brasileiro Sobre Diabetes 2002: Diagnóstico e classificação do diabetes melito e tratamento do diabetes melito do tipo 2. Rio de Janeiro: Diagraphic, 72p., maio 2003. Disponível em:< http://www2.unoeste.br/~aulasmedicina/arquivos/09e10-
termo%202007/clinica_medica/Consenso_Diabetes_SBD_2002.pdf>

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes. 2007. Disponível em: <www.diabetes.org.br/educacao/docs/Diretrizes_SBD_2007.pdf>

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Saiba como a alimentação é importante no treinamento de força!


Nos últimos anos, a prática do treinamento de força para ganho de massa muscular tem crescido bastante nas academias. Considerado o mais efetivo para hipertrofia e definição muscular, esse tipo de treinamento está em maior evidência em decorrência de uma nova cultura estética, na qual um corpo musculoso é sinônimo de saúde, e principalmente beleza.

Além de um treinamento adequado proposto pelo educador físico e da dedicação necessária do aluno na correta execução dos exercícios, uma alimentação que favoreça a recuperação e o crescimento muscular é essencial. O desempenho do músculo durante o treino e na recuperação pós-exercício depende da disponibilidade de determinados nutrientes. Observando que a reserva de glicogênio muscular é a principal fonte de energia para o treinamento de contra-resistência, quanto menor a sua reserva, maior será a utilização de aminoácidos (proteína) como fonte de energia.

Sendo assim, apesar de as proteínas (carnes, ovos, laticínios, soja, etc.) terem papel fundamental na formação de novas proteínas musculares, se a oferta desse nutriente não for acompanhada de calorias não-protéicas, principalmente carboidratos, o corpo utilizará os aminoácidos que "formariam o músculo" para a produção de energia.

Sabendo que a grande maioria dos atletas e praticantes de atividade física sem orientação nutricional ingere elevadas quantidades de proteínas, a dificuldade maior no ganho de massa muscular é sim atingir as recomendações totais de carboidratos na dieta. Os carboidratos devem representar cerca de 60% das calorias diárias, quantidade que deve ser distribuída durante todo o dia, em especial nos períodos anterior e posterior ao treino. 
 
Para maiores informações e uma orientação personalizada, uma consulta com um nutricionista contribui para a obtenção de um melhor aproveitamento do treinamento de força. Por isso não perca tempo agende já a sua consulta pelo fone : (48) 9909-1750 ou pelo email cristianeschmitz.nutri@gmail.com e tenha resultados eficazes para suas necessidades e melhores desempenhos!

EFEITOS DOS DIFERENTES TIPOS DE PROTEÍNAS NO METABOLISMO


Sabe-se que refeições ricas em proteínas possuem maior efeito termogênico* do que aquelas ricas em carboidratos e lipídios. Até recentemente, não havia informação na literatura sobre os possíveis efeitos de diferentes fontes protéicas no metabolismo. Porém, um estudo publicado no The American Journal of Clinical Nutrition em janeiro deste ano apontou que podem haver diferenças após a ingestão de 3 tipos de proteínas sobre o metabolismo energético, saciedade e glicemia.

Foram utilizados na pesquisa as seguintes refeições:

Uma quarta refeição composta de 95,5% do VET em carboidratos e outra contendo 19% de proteína, 9% de carboidrato e 22% de lipídios foram utilizadas para investigar como essas três proteínas influenciam no índice glicêmico e insulinemia (níveis de insulina no sangue).

Os resultados apontaram que a refeição rica em whey aumentou em 14,4% o gasto energético em repouso após 5:30h da ingestão. A refeição caseína aumentou em 12%, a de soja em 11,6%, e a refeição rica em carboidrato 6,6%.

Da mesma forma, a taxa de oxidação de gordura também foi maior após a refeição whey (16,2 g) do que após a refeição soja (13,7 g) e após a refeição rica em carboidratos (10,9 g).

Outro benefício encontrado a favor da refeição Whey foi em relação à glicemia dos indivíduos após o consumo. Ela aumentou em 32% os níveis de glicose sanguíneas, enquanto que a refeição rica em carboidrato aumentou em 154%, a caseína em 143%, e de soja em 151%. Entretanto, as análises de sensações subjetivas do apetite indicaram que a refeição caseína e soja saciaram mais do que a refeição whey.

A partir deste estudo, podemos acreditar que possivelmente proteínas específicas podem ser incorporadas à dieta para modular o metabolismo energético, contribuindo para a perda de peso e gordura corporal e para o controle da glicemia em pessoas com resistência insulínica.

  • Refeição whey: 50% do valor energético total (VET) em proteína do soro de leite (whey protein), 40% de carboidrato e 10% de gorduras (também chamadas de lipídios);
  • Refeição caseína: 50% do VET em caseína, 40% de carboidrato e 10% de lipídios;
  • Refeição soja: 50% do VET em proteína de soja, 40% de carboidrato e 10% de lipídios;

OBS.:

Efeito termogênico do alimento é a energia que o organismo gasta para digerir e absorver o alimento. A termogênese pode variar de acordo com a composição da dieta. A proteína é o nutriente que possui maior efeito termogênico, seguido do carboidrato e, por último, a gordura. 
 
Acheson KJ, Blondel-Lubrano A, Oguey-Araymon S, Beaumont M, Emady-Azar S, Ammon-Zufferey C, et al. Protein choices targeting thermogenesis and metabolism. Am J Clin Nutr. 2011 Jan 12.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Dúvidas no que comer antes de praticar atividades físicas?

Muitos estudos mostram a importância da prática de atividade, bem orientada, para melhora da qualidade de vida, manutenção e/ou recuperação da saúde, estética etc. O que grande parte das pessoas desconhecem ou até mesmo ignoram, é como deve ser a alimentação adequada antes da sessão de exercícios ou competição.
Falhas nos esquemas alimentares e na reposição hídrica podem prejudicar o desempenho desportivo e colocar em risco a saúde do indivíduo. É importante destacar que atletas (foco competitivo) e praticantes de exercício (foco na saúde) têm objetivos diferenciados, portanto suas necessidades e estratégias nutricionais também são diferentes.
Uma boa alimentação antes do exercício objetiva:

  • Prevenir a hipoglicemia ou sintomas associados a ela;
  • Evitar sensação de fome antes ou durante o evento esportivo;
  • Disponibilizar energia para a contração muscular durante a atividade física;
  • Fornecer líquidos para iniciar o exercício hidratado.


Para o estabelecimento do volume, composição e o tempo da alimentação antes do treino ou competição, devemos saber:

  • quanto tempo e qual o local disponível você terá para se alimentar?
  • qual foi sua última refeição?
  • qual será o horário que você irá treinar/competir?
  • qual será o tempo de duração da atividade?

Essas perguntas devem ser respondidas em conjunto com o nutricionista para traçar a estratégia alimentar adequada para seu treinamento.

De forma geral, sugiro algumas orientações no pré-treino ou competição:

  • Manter na dieta os alimentos de gosto habitual: não experimente alimentos ou bebidas novas, pois não sabemos como o nosso organismo irá reagir. Desta forma evitaremos desconfortos gástricos e intestinais, náuseas, vômitos etc.;
  •  Evitar preparações gordurosas: as gorduras têm maior tempo de digestão e deixam a sensação de estômago cheio, podendo causar desconfortos;
  • Preferir uma dieta leve e rica em carboidratos: os carboidratos são muito importantes na prática esportiva, pois é o macronutriente que fornece mais energia para os músculos (sob a forma de glicogênio). Os carboidratos estão presentes em alimentos como: pães, massas, batata, biscoitos etc.;
  • Evitar alimentos fonte de fibras: alimentos integrais, frutas com casca e barrinhas de cereais, por exemplo. Evitando desconforto gástrico;
  • Preferir alimentação que provoque esvaziamento gástrico mais rápido;
  • Hidratar-se: a ingestão de líquidos na atividade física é essencial para preservar todas as funções fisiológicas. A hidratação adequada é tão importante quanto uma alimentação balanceada. O indivíduo deve iniciar o treino já hidratado, pelo menos duas horas antes do exercício, ingira de 300 a 600mL de água.

Observe que as medidas citadas acima são fáceis de serem seguidas e podem garantir uma sessão de exercícios ou competição seguros do ponto de vista nutricional.
Logicamente que a alimentação balanceada não deve ser feita exclusivamente no dia que iremos praticar os exercícios, caso contrário, de nada adiantará uma nutrição eficiente na pré-atividade. Não devemos esquecer também, que existem algumas estratégias durante e após o treino ou competição, fundamentais à recuperação das reservas energéticas e musculares.

Nunca inicie qualquer atividade física em jejum, o organismo precisa estar preparado para a exigência extra que temos durante a prática de esportes, além de ser uma medida prejudicial ao desempenho, é extremamente perigoso para sua saúde!

O que é o Nutricionista?

         O nutricionista é um profissional da saúde com formação generalista, humanista e crítica. Está capacitado para atuar visando à segurança alimentar e à atenção dietética, em todas as áreas do conhecimento em que a alimentação e nutrição se apresentem fundamentais para a promoção, manutenção e recuperação da saúde e para a prevenção de doenças de indivíduos ou grupos populacionais. Sua atuação contribui para a melhoria da qualidade de vida e deve ser pautada em princípios éticos, com reflexões sobre a realidade econômica, política, social e cultural do país.